Saúde amplia atendimento para pacientes de saúde mental

Pontos de acesso passam de 3 para 219. Secretaria também reorganizou as competências de profissionais e serviços especializados

Os postos de atendimento de pessoas com transtornos mentais passaram de três para 219 em toda a rede pública de saúde de Brasília. A mudança consta da Portaria n° 536, publicada no Diário Oficial do DF.

Além de ampliar as alternativas para recepção e avaliação de pessoas com transtornos mentais e decorrentes do abuso de drogas, a norma também reorganizou o fluxo assistencial que deve ser seguido por todas as equipes, inclusive nas urgências e emergências e prontos-atendimentos em saúde mental do DF.

Até a publicação da portaria, em 19 de junho, prestavam os primeiros cuidados de atenção psicossocial apenas o Hospital São Vicente de Paulo, a unidade de psiquiatria do Instituto Hospital de Base e o Hospital de Apoio de Brasília.

Agora, há outros 216 pontos de acesso:

12 hospitais regionais
Hospital Materno-Infantil de Brasília (Hmib)
Hospital da Criança de Brasília
17 centros de atenção psicossocial (CAPS)
19 unidades da rede de serviços de Atenção Integral a Pessoas em Situação de Violência (PAV)
166 unidades básicas de saúde (UBS)
O DF passa a dispor, de forma pioneira, do Núcleo de Saúde Mental do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Essas equipes vão poder intervir, in loco, por meio de sua rede de atenção psicossocial.

Ele se torna referência para usuários:

Com sofrimento e transtornos mentais agudos, graves e persistentes
Com agitação psicomotora, autoagressividade e/ou agressividade a terceiros
Com comportamento violento com riscos para si, outras pessoas e/ou ao patrimônio
Em crise psicótica
Com necessidade de contenção química in loco
Vítimas de violência (física e sexual)
Dependentes químicos graves em situação de vulnerabilidade
Em situações de crise, desastres, catástrofes, calamidades, emergências, mortes inesperadas ou traumáticas, visando a uma ação preventiva para situações de estresse pós-traumático
De acordo com a diretora de Saúde Mental, Giselle de Fátima, dados internacionais e nacionais apontam o crescimento de transtornos mentais, abuso de substâncias psicoativas, depressão, ansiedade e comportamento suicida.

“Chegamos a prestar, em média, oito atendimentos diários de ideação e tentativa de suicídio. Esses episódios ocorrem entre todas as faixas etárias e nos diferentes níveis sociais.”

Com a portaria, segundo Giselle, fica previsto, ainda, o atendimento a pacientes em sofrimento psíquico ou com decorrências do abuso de drogas.  “Foi muito importante para a gestão rever o funcionamento desses fluxos”, acrescenta.

A rede também recebe pacientes que apresentem risco de morte, agitação psicomotora, catatonia, anorexia, sob efeito ou não de substâncias ou sob contenção física.

A corresponsabilização na rede de atenção psicossocial — da atenção primária à terciária — foi prevista em 2011 pela Portaria n° 3.088, do Ministério da Saúde. Ela estipula a equivalência de responsabilidades entre todos os profissionais e unidades de atendimento.

A nova portaria da Secretaria de Saúde revoga a anterior (n° 185, de 2012). Assim, passam a vigorar as diretrizes definidas pelo Executivo federal um ano antes.

“Ela é mais robusta, até quantitativamente, pois foi editada com 59 artigos, 42 a mais que a anterior, que também restringia serviços e concentrava grande parte do atendimento no Hospital São Vicente de Paulo”, destaca a diretora de Saúde Mental.

Os fluxos assistenciais são procedimentos relacionados ao atendimento médico e à equipe multiprofissional. Dada sua complexidade, a intervenção e a promoção em saúde deve ser oferecida por diferentes profissionais da saúde, como psicólogos, psiquiatras, enfermeiros, técnicos de enfermagem e assistentes sociais.

Com a nova legislação, vão poder atestar a urgência ou a emergência de atendimento:

Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu)
Corpo de Bombeiros Militar do DF
Rede de atenção à saúde, da Secretaria de Saúde
Centros de atenção psicossocial (CAPs)
Sistema socioeducativo
Sistema prisional
Os atendimentos compreendem os serviços específicos de todas as especialidades médicas, incluindo psiquiatria, clínica médica, medicina de emergência, pediatria, emergência pediátrica e medicina de família e comunidade.

Devem levar em conta:

Causa (etiologia) do quadro apresentado
Faixa etária
Presença ou não de comorbidades (existência de duas ou mais doenças)
Procedência do usuário
EDIÇÃO: RAQUEL FLORES
 

Postado em: 30/06/2018 às 21:01:13
Link:

 • News | Outras Noticias
04/11/2015 - Visitas ao Centro de Detenção Provisória podem ser marcadas pela inter...
22/08/2015 - Secretaria de Turismo de Brasília abre inscrições para a Rota do Artes...
15/10/2015 - Codhab reforma 270 casas depredadas da Estrutural...
22/02/2018 - Bananal e Lago Paranoá ajudam a bater metas de reservatórios antes do ...
13/07/2016 - Startups Brasília 2016 tem investimento de R$ 5 milhões...
06/06/2016 - Dedetização no Torre Palace segue até quarta-feira (8)...
29/06/2017 - Linhas de ônibus vão passar por readequação da oferta em julho...
24/11/2015 - Expresso Sul para a W3 Sul terá mais cinco viagens...
19/07/2017 - Prospera ultrapassa R$ 4 milhões em cartas de crédito em 2017...
17/07/2017 - Zoo de Brasília é referência em reprodução de ariranhas...

 
No AR

1
Safadômetro
Thiago Matheus
2
Maravilhosa Graça
Luh Ribeiro
3
Esse Lance
Willian Sorriso
4
Sinal de um Vencedor
Robson Mello
5
Festa das Patroas
Maiara e Maraisa
6
Eu te amo pinga
Antony e Gabriel
7
Bobo Fui Eu
Zé Neto & Cristiano
8
Rei Soberano
Robson Mello
9
Eu ligo pra você
Zé Neto & Cristiano
10
Não Me Toca
Zé Felipe
 

Enquete - Vote Agora!
O Quê Cidade Precisa? +

Atendimento
Quadra 34 Conjunto E Lote 11 Setor Oficina
Paranoá - DF
Depto Apoio Comercial
(61) 3369-1343
Horário de atendimento
Segunda a Sexta de 08:00 as 18:00
Powered by SimplesClick.NET