• paranoafm@oi.com.br
  • (61) 3369.1343
News Photo

DF Livre de Carcaças no Recanto das Emas

  • GDF
  • Dezembro 08, 2020

AGÊNCIA BRASÍLIA * I EDIÇÃO: CAROLINA JARDON

O material recolhido foi levado para o depósito do 3º Distrito Rodoviário do DER, próximo a Samambaia | Foto: Divulgação/SSP

A operação DF Livre de Carcaças esteve nesta terça-feira (8) no Recanto das Emas e retirou quinze veículos abandonados. O objetivo é eliminar possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor de dengue, zika e chikungunya.

“Esta é uma medida bastante eficiente no combate ao Aedes aegypti e contribui com a sensação de segurança da população do Distrito Federal, pois esses veículos podem ser usados como pontos para usuários de drogas ou esconderijos. Com o material retirado hoje, já chega a 429 o número de carcaças retiradas das ruas do DF neste ano”, disse o secretário de Segurança Pública, Anderson Torres.

A ação é coordenada pela Secretaria de Segurança Pública (SSP) em parceria com as secretarias executivas das Cidades e de Políticas Públicas, DF Legal, do Departamento de Trânsito (Detran), da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) e da Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival), divisão da Secretaria de Saúde (SES).

A identificação dos veículos abandonados é feita com apoio dos Conselhos Comunitários de Segurança (Consegs) e das administrações regionais. A população também pode contribuir com a identificação dos veículos abandonados nas regiões. Para isso, basta enviar um e-mail para conseg@ssp.df.gov.br.

O material recolhido foi levado para o depósito do 3º Distrito Rodoviário do Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER) – próximo a Samambaia –, onde os agentes de Vigilância Ambiental aplicam soluções na água parada e fazem o controle vetorial.

Além da retirada dos materiais, foi feito ainda um trabalho educativo com moradores e donos de estabelecimentos.

“Explicamos a importância de retirar esses materiais das ruas e que além de servirem como pontos para proliferação do mosquito da dengue, os carros abandonados podem ser utilizados como pontos de drogas”, explicou o coordenador dos Consegs na SSP, Marcelo Batista.

* Com informações da SSP/DF

Compartilhar

Fale com a diretoria. Você gostaria de enviar uma mensagem diretamente, com sugestões, ideias ou mesmo críticas?